Impresso em: 23/06/2018 16:15:46
Fonte: http://www.ecosdotocantins.com.br/noticia.php?l=1e8b3b8165d1d4ab070abdeee8e98b84

MEIRELLES PROMETE DECIDIR ATÉ ABRIL SE SERÁ CANDIDATO A PRESIDENTE

09/02/2018 04:44:54

Web
MINISTRO DISSE ESTAR FOCADO NAS ATRIBUIÇÕES DE MINISTRO DA FAZENDA
 
Redação

O ministro Henrique Meirelles (Fazenda) se esquivou de responder todas as perguntas relacionadas a uma eventual candidatura dele à Presidência da República. Acompanhado da esposa, Eva Meirelles, o ministro disse não estar pensando nas eleições no momento, mas que tem até abril para decidir.

"Minha mulher tem acompanhado tudo isso e sabe que estou focado", disse ao reafirmar que seu compromisso é, agora, com o Ministério da Fazenda e com seu trabalho de recolocar a economia brasileira nos trilhos. "Penso em executar da melhor maneira a minha função de ministro. Tenho uma atitude e postura de cumprir minhas funções", afirmou, ponderando que muitas autoridades que estavam em um determinado cargo público e tentaram outros postos acabaram tendo problemas porque não atingiram o posto almejado e executaram mal o cargo onde estavam.

Meirelles lembrou de 2010, quando teve seu nome indicado para ser o candidato a vice-presidente na chapa que seria encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a reeleição. À época, ele era o presidente do Banco Central e só externou a sua decisão de ficar no BC no dia anterior ao término do prazo para oficialização de candidaturas. "Dito isso, eu tenho um prazo até 7 de abril para me decidir", concluiu.

Perguntado sobre se a aprovação da reforma da Previdência pesaria para sua decisão de postular a candidatura à Presidência da República, Meirelles disse que não e acrescentou que a reforma previdenciária não é um projeto seu, pessoal, mas um projeto do País. Sobre se pensa em deixar o PSD para ser candidato, já que o partido tende a apoiar a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Meirelles foi taxativo: "Como não sei se sou candidato, não estou preocupado com a questão de partidos".

(Com AE)