Pium, sexta 22 de setembro de 2017

Meio Ambiente

11 DE SETEMBRO – O DIA DO CERRADO

12/09/2017 08h12

Crédito: Selene Vital Personagens do Cerrado: Ipê-amarelo-do-cerrado (Tabebuia ochracea) e Jararaca-do-cerrado (Bothrops moojeni).
 Marcos Leão e Selene Vital

O Cerrado, savana mais rica em biodiversidade do mundo, é considerado o "berço das águas" por abrigar as nascentes de importantes bacias hidrográficas brasileiras. Como está localizado no coração do Brasil funciona como um elo com outros biomas e compartilha animais e plantas com estas regiões.

O papel das unidades de conservação é muito importante nesse bioma tão ameaçado.
ICMBio

O Cerrado Brasileiro

O cerrado é a segunda maior região biogeográfica do Brasil, se estende por 25% do território nacional, cerca de 200 milhões de hectares. É também a segunda maior formação vegetal brasileira. Estendia-se originalmente por uma área de 2 milhões de km², abrangendo dez estados do Brasil Central. Hoje, restam apenas 20% desse total. Sua área "core", ou nuclear, ocupa toda a área do Brasil central, incluindo os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, a região sul de Mato Grosso, o oeste e norte de Minas Gerais, oeste da Bahia e o Distrito Federal.

Prolongações da área "core" do cerrado, denominadas áreas marginais, estendem-se, em direção ao norte do país, alcançando a região centro-sul do Maranhão e norte do Piauí, para oeste, até Rondônia, existem ainda fragmentos desta vegetação, formando as áreas disjuntas do cerrado, que ocupam 1/5 do estado de São Paulo, e os estados de Rondônia e Amapá. Podem ser encontradas ainda manchas de Cerrado incrustadas na região da caatinga, mata atlântica e floresta amazônica.

Devido a sua localização, o cerrado, compartilha espécimes com a maioria dos biomas brasileiros, Floresta Amazônica, Caatinga e Mata Atlântica. Por esse motivo possui uma biodiversidade comparável a da floresta amazônica, contudo devido ao alto grau de endemismo, cerca de 45% de suas espécies são exclusivas da região.

A presença de três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Tocantins-Araguaia, São Francisco e Prata) na região favorece sua biodiversidade. Estima-se que 10 mil espécies de vegetais, 837 de aves e 161 de mamíferos vivam ali.

Típico de regiões tropicais, o cerrado apresenta duas estações bem marcadas: inverno seco e verão chuvoso. Com solo de savana tropical, deficiente em nutrientes e rico em ferro e alumínio, abriga plantas de aparência seca, entre arbustos esparsos e gramíneas, é o Cerradão, um tipo mais denso de vegetação, de formação florestal.

Toda essa riqueza biológica é seriamente afetada pela caça, pelo comércio ilegal, pela atividade garimpeira, que contamina os rios com mercúrio e contribuiu para seu assoreamento, a mineração favorecendo o desgaste e a erosão dos solos. As monoculturas, com a agricultura mecanizada de soja, milho e algodão, a pecuária extensiva, e a abertura de estradas destruíram boa parte do cerrado. Hoje, menos de 2% está protegido em parques ou reservas.


Marcos Leão e Selene Vital – Redatores da coluna Meio Ambiente

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.
Jornal Ecos do Tocantins    |    Contato: trajanocoelho@gmail.com    |    (63) 98444-2993