Pium, terça 19 de junho de 2018

Meio Ambiente

ICMBio resgata Tamanduá-mirim em área urbana na cidade de Pium/TO

18/03/2018 14h02

Créditos: Selene Vital Equipe de resgate do PNA - captura e soltura do Tamanduá-mirim
 

Marcos Leão e Selene Vital

 

Na quinta-feira passada, dia 15 de março o Parque Nacional do Araguaia/ICMBio, com escritório na cidade de Pium/TO, foi acionado por funcionários da Prefeitura Municipal do Pium - estrutura Campo de Futebol (Estádio) localizado no Setor Aeroporto, informando que um animal silvestre, um provável Tamanduá, encontrava-se naquele local.

 

No mesmo dia foi encaminhado para averiguação dois membros da unidade, que indagaram os solicitantes sobre as características do animal e após os relatos diagnosticaram se tratar de um Tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) animal de hábitos arborícola que se alimenta de cupins e formigas.

 

O gestor do Parque Nacional do Araguaia - PNA, o biólogo Marcos Leão instruiu sobre as estratégias a serem utilizadas e autorizou o resgate. Foram vistoriados todos os locais da estrutura e todas as árvores das imediações; sem êxito, não conseguiram encontrar o citado animal.

 

No dia seguinte (sexta-feira 16) foram continuadas as buscas, porem ainda sem êxitos. Por volta das 19:00h do mesmo dia, um dos integrantes da equipe de resgate, Theodomiro  Neres, recebeu um chamado de populares comunicando que o tamanduá encontrava-se perambulando pelas ruas, adentrando as residências no referido setor.

 

O mesmo comunicou aos demais integrantes da equipe, e como já se encontrava provido dos equipamentos necessários para realização da captura (cambão e rede), se deslocou ao endereço informado. Para sua surpresa, ao chegar ao local se deparou com vários populares, alguns curiosos e outros portando cacetes e vasouras com objetivo de abater o animal.

 

Explanou aos mesmos sobre as desnecessárias práticas e instruiu sobre os crimes ambientais: molestar, maltratar, ferir, caçar, matar, capturar indevidamente, transportar, manter cativo, criar como animal domesticado (xerimbabo), vender o animal ou partes deles (carne, pele, couro, garras, dentes, penas, bicos etc), é crime com pena de prisão e multa de acordo com a Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/98.

 

Devido a docilidade do animal em questão, aceitou o apoio de alguns cidadãos e rapidamente efetuou a capturada com o auxílio de um cambão (haste de metal com um laço em uma das extremidades) sem maiores problemas, antes mesmo da chegada do outros integrantes da equipe de resgate.

 

O espécime do Tamandua tetradactyla, uma fêmea adulta de vigoroso porte, apresentando excelente estado nutricional e admirável pelagem, foi inspecionada e avaliada quanto ao seu estado físico pela equipe habilitada e experiente em procedimentos com animais silvestres, após as devidas observações foi liberada para a devida soltura na região.

 

O Tamanduá-mirim foi transportada pela viatura do ICMBio ao local escolhido para soltura que foi em Área de Reserva, uma mata preservada próximo ao Ribeirão Campeira a 4 km da cidade de Pium. Toda a ação aconteceu rapidamente para evitar o máximo de estresse ao animal. A missão foi realizada com êxito, o Tamanduá foi devolvido à natureza em seu habitat.

 

Fez parte dessa equipe de resgate: o Biólogo especialista em animais silvestres Marcos Leão (Gestor do PNA); o Técnico Ambiental Miguel Bonilha (Chefe substituto e Gerente do fogo); a Gestora ambiental com curso extra curricular FAUNA versus PRODUÇÃO: Diagnóstico, manejo e monitoramento de espécies “problema”, Selene Vital (Programa Voluntariado ICMBio); Jakes Douglas (Vigilante Thor/ICMBio) e o Mateiro Theodomiro Neres (Colaborador e ex-chefe de esquadrão da Brigada de incêndios-2017, PNA/ICMBio).

 

 

Marcos Leão e Selene Vital - são redatores da coluna Meio Ambiente do Ecos do Tocantins.

 

 

 

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.
Jornal Ecos do Tocantins    |    Contato: trajanocoelho@gmail.com    |    (63) 98444-2993