Pium, sábado 16 de dezembro de 2017

Meio Ambiente

Nossos Animais Silvestres: Gato-mourisco (Puma yagouaroundi)

25/11/2017 06h00

Créditos: Web. Gato-mourisco, três colorações: acinzentada, vermelho-amarelada, e amarronzado-negra.

 

Marcos Leão e Selene Vital

 

Gato-mourisco, Puma (Herpailurus) yagouaroundi (E. Geoffroy Saint-Hilare, 1803) é um mamífero da Ordem Carnivora, Família Felidae. Também conhecido como Jaguarundi, Maracajá-una. É um felídeo de pequeno-médio porte, de corpo alongado, medindo quando adulto (da ponta do focinho ao fim do corpo) de 48,8 a 77,5 cm (média: 63,7 cm), cauda bastante longa com 27,5 a 59,0 (média: 41,9 cm), mede no total cerca de 105,0 cm, pesando de 3,0 a 7,6 kg (média: 5,2 kg).

 

Apresenta como características marcantes a cabeça pequena, alongada e achatada, orelhas pequenas e arredondadas, pernas relativamente curtas em relação ao corpo. De coloração uniforme, podendo apresentar três tipos básicos: vermelho-amarelada, acinzentada, e amarronzado-negra.

 

Os indivíduos de coloração mais escura estão associados a florestas, os mais claros a ambientes mais secos e abertos. Os indivíduos de coloração avermelhada apresentam baixa incidência na população, sendo menos comum em relação aos indivíduos acinzentados e amarronzado-negra.

 

Etimologicamente - yagouaroundi [da língua Tupi/Latinizada] é oriundo do Tupi: Yawaum’di, formado da junção da palavra Ya’wara = Jaguar/fera + undi = escuro; que significa “Jaguar-escuro”.

 

Existem 8 subespécies de Gato-mourisco nas Américas, três acontecem no Brasil, são elas: Puma yagouaroundi eyra (Brasil, Argentina e Paraguai); Puma yagouaroundi melantho (Brasil e Peru) e Puma yagouaroundi yagouaroundi (Floresta Amazônica e Guiana).

 

É um animal terrestre, de hábito predominantemente diurno, mas com atividade também noturna, pode ser encontrado solitário ou vivendo em pares. Sua dieta consiste principalmente de pequenos roedores, aves, répteis e anfíbios. Tem sido relatado o consumo de veado (Mazama nana), paca (Cuniculus paca) e artrópodes. Tem o periode de gestação variando de 72 a 75 dias, quando nascem de 1 a 4 filhotes (média: 2 filhotes).

 

Tem ocorrência do México até o centro da Argentina, Paraguai e Uruguai em altitude que varia até 2.000 m, porem na Colômbia foi reportado em até 3.200 m; tem ocorrência por todo o Brasil, com exceção do sul do estado do Rio Grande do Sul. Seu habitat é bastante variado, incluindo florestas tropicais, subtropicais e vegetações secundarias. Acontece em todos os biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Mata Atlântica e Campos Sulinos.

 

Possui uma aparência distinta, bem diferente das outras espécies de felino, pela coloração uniforme (sem a presença de manchas na pelagem), e pelas formas do corpo. Embora seja um dos gatos-do-mato de maior dispersão em território brasileiro, não chega a ser conhecido do cidadão comum. Os exemplares de coloração escura são sempre relatados como jovens de onça-preta (Panthera onça - melânica ), e os exemplares avermelhados, como jovens de onça-parda (Puma concolor).

 

 Espécie incomum e de baixa densidade, o Gato-mourisco é sem duvida apanhada em armadilhas para serem explorados como espécie comercialmente valiosa (trafico de animais silvestres/biopirataria), e podem estar sujeitos a uma pressão de caça de baixa intensidade em torno das áreas de sua dispersão.

 

A perda e a fragmentação do habitats, que tem como principal causa o desmatamento desenfreado para agricultura e pastagens em grande escala, e os constantes incêndios florestais; a caça predatória de suas presas naturais, com consequente redução na disponibilidade do seu alimento; a caça por seres humanos que os responsabilizam de ataques as criações domésticas, são as principais ameaças à espécie.

 

O Puma yagouaroundi é uma espécie classificada como Pouco Preocupante (LC) na Lista Vermelha Mundial da IUCN (International Union for Conservation of Nature), mas devem ser revisadas regularmente, pois não há informações suficientes para continuar nessa faixa de julgamento. Está incluído no Apêndice II do CITES (Convention on International Trade in Endangered Species). É o único felídeo brasileiro que não consta na Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

 

PAN - Pequenos Felinos

Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Pequenos Felinos tem como objetivo Reduzir a vulnerabilidade de pequenos felinos nos biomas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal, por meio de ampliação do conhecimento aplicado à conservação, da proteção de habitats, da minimização de conflitos com atividades antrópicas e de ações políticas efetivas, cuja previsão de implementação está estabelecida em um prazo de 5 anos, com validade ate junho de 2018. As espécies ameaçadas são: Leopardus colocolo, Leopardus geoffroyi, Leopardus tigrinus, Leopardus wiedii e Puma yagouaroundi.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio. 2013. Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Pequenos Felinos. Brasília, CENAP, MMA.

 

REIS, N. R. ... [et al.]. 2011. Mamíferos do Brasil. Londrina: Edição do Autor. 2 ed. 439p.

 

OLIVEIRA, T. G. & CASSARO, K. 2005. Guia de Identificação dos Felinos Brasileiros. 2 ed. São Paulo, Sociedade de Zoológicos Brasileiros.

 

 

 

Marcos Leão e Selene Vital - são redatores da coluna Meio Ambiente.

 

 

 

 

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.
Jornal Ecos do Tocantins    |    Contato: trajanocoelho@gmail.com    |    (63) 98444-2993