Pium, domingo 16 de dezembro de 2018

Meio Ambiente

2 DE FEVEREIRO - DIA MUNDIAL DAS ÁREAS ÚMIDAS

02/02/2018 12h15

Créditos: Arquivo Parque Nacional do Araguaia Parque Nacional do Araguaia - Área Úmida (Sítio Ramsar)

 


Áreas Úmidas para um futuro urbano sustentável

 

Em 1997, o dia 2 de fevereiro foi instituído pelo Comitê Permanente da Convenção de Ramsar como “Dia Mundial das Áreas Úmidas” (World Wetlands Day). A data foi definida em homenagem ao dia da adoção da Convenção: 2 de fevereiro de 1971, na cidade iraniana de Ramsar.

 

A finalidade do Dia Mundial das Áreas Úmidas é estimular a realização, por governos, organizações da sociedade civil e grupos de cidadãos, de ações e atividades que chamem a atenção da sociedade para a importância das áreas úmidas, para a necessidade de sua proteção e para os benefícios que o cumprimento dos objetivos da Convenção pode proporcionar.

 

A cada ano, o secretariado da Convenção sugere um tema para as ações desenvolvidas pelos países membros da Convenção de Ramsar.

 

O aumento do número de cidades faz com que a demanda por terras afete as áreas úmidas que são degradadas e transformadas em áreas construídas. A preocupação com o ambiente urbano e as áreas úmidas fez com que a Convenção de Ramsar escolhesse como tema de 2018 a discussão sobre a importância das Áreas Úmidas para um futuro urbano sustentável.





Parque Nacional do Araguaia - Ilha do Bananal (sítio Ramsar nº 624)

 

O Parque Nacional do Araguaia – PNA foi designado Sítio Ramsar em 04 de outubro de 1993, possui uma área com cerca de 560 mil hectares, e está localizado na Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial do planeta. Constitui uma extensa planície, inundada pelas cheias dos rios limítrofes Araguaia e Javaés. Situa-se na faixa de transição entre os dois maiores biomas do país, Cerrado e Amazônia, e também do Pantanal, constituindo uma área de ecótono entre eles.

 

Abrange os municípios de Pium (com 55,1% de sua extensão) e o de Lagoa da Confusão (com 44,9%), ambos na região oeste do estado do Tocantins, Brasil. O Parque foi criado em 31 de dezembro de 1959 (Decreto federal nº 47.570), pelo Presidente da Republica Juscelino Kubitschek, para salvaguardar a fauna e a flora da ilha do Bananal; inicialmente ocupava toda a ilha com 2 milhões de hectares.

 

No ano de 2001, ocorreu a sobreposição com terras indígenas Inãwebohoná e Utaria Whyhyna/Iròdu Iràna, em 100% do Parque, com a realização dos direitos constitucionais de três etnias indígenas: Karajá, Javaé e Avá-Canoeiro.

 

O mosaico de ambientes proporciona rica biodiversidade aquática e terrestre, principalmente de aves. Algumas espécies ameaçadas são protegidas no PNA, são eles, os mamíferos: Onça-pintada (Panthera onça); Cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus); Tatu-canastra (Priodontes maximus); Ariranha (Pteronura brasiliensis); Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla); Rato-das-ipucas (Rhipidomys ipukensis) e Rato-do-araguaia (Calomys tocantinsi). As aves: Chororó-de-goiás (Cercomacra ferdinandi);  Jacu-de-barriga-castanha (Penelope ochrogaster);  Papa-capim-do-bananal (Sporophila melanops). O inseto: Abelha-das-orquídeas-do-bananal  (Eufriesea fuscatra) e o molusco bivalve: Estilete (Lamproscapha ensiformis).

Os Principais serviços ecossistêmicos fornecidos pelo Sítio Ramsar são as provisões: produção de peixes e água potável; regulação climática: fonte e sumidouro de gases do efeito estufa, influência local e regional na temperatura; regulação dos recursos hídricos: recarga e descarga dos lençóis freáticos; purificação e tratamento de água: retenção, recuperação e remoção de nutrientes em excesso e poluentes; polinização: habitat para polinizadores; culturais: espiritual e inspiração, recreacional, estético e educacional (oportunidades para educação e treinamento formal e informal) e, suporte: formação do solo (retenção de sedimentos e acúmulo de matéria orgânica), ciclo de nutrientes (armazenamento, reciclagem, processamento e aquisição de nutrientes).

 

 

 

Redatores da coluna Meio Ambiente - Ecos do Tocantins: Marcos Leão e Selene Vital

 

 

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.
Jornal Ecos do Tocantins    |    Contato: trajanocoelho@gmail.com    |    (63) 98444-2993